quarta-feira, 22 de março de 2017

COGITAÇÕES A PROPÓSITO DA DEPRESSÃO

A depressão tem sido avaliada, na contemporaneidade, como um problema de saúde pública, e alguns especialistas chegam a considerá-la como aquilo que será o mal do século 21. No entanto, muito tem se afirmado e até mesmo, vem se predizendo sobre essa experiência mental que, na realidade, muito pouco se tem conhecimento.
Numa sociedade de características cada vez mais imediatistas, que visa a satisfação a todo custo, onde o que se vê é a evitação de todo e qualquer desconforto, não será surpresa se houver uma condenação de uma importante experiência psíquica natural do desenvolvimento mental, como sendo patologia, por conta de suas características demoradas e dolorosas.
Ora, além do mais, não é fato digno de espanto que nessa sociedade de qualidades superficiais, uma experiência que demande profundidade possa ser descrita como doença. A palavra depressão tem sido comumente utilizada para designar uma forma de patologia mental, no entanto esse conceito tem aplicações muito mais amplas podendo, até mesmo ser motivo de equívocos, dentro do olhar apressado, característica típica do ser humano contemporâneo. Num olhar impaciente tendemos a julgar e diagnosticar com muita rapidez algo que mereceria mais respeito.
“Do Latim respectus, particípio passado de respicere, “olhar outra vez”. Do re, “de novo”, mais specere, “olhar”: a ideia é de que algo que merece um segundo olhar em geral merece respeito.”. (Martino, 2013).

Afinal, o que estamos chamando de depressão? O conceito de depressão é relativo a um movimento para baixo. Encontramos esse termo na geografia topográfica, descrevendo regiões do terreno que estejam num nível mais profundo. Nas formulações emocionais usa-se esse conceito para descrever o movimento de recolhimento dos investimentos de interesse. A retirada da importância do mundo externo numa introjeção da libido em direção do eu. A origem da palavra vem do latim DEPRESSIO, de DEPRIMERE, significando o ato de apertar firmemente para baixo, na junção de “de” = “para baixo”, + “premere” = “apertar, ou comprimir”. Quando esse termo é aplicado às experiências emocionais, de modo geral, poderíamos dividir a depressão em duas manifestações: 
a) O processo depressivo natural, do qual poderíamos classificar como sendo saudável, que é gerado por conta da situação de luto. Nesse caso, o que ocorre é que frente à perda de algo de muita importância o sujeito se deprime e o mundo externo fica desinteressante, por isso o recolhimento da importância que se atribuía ao mundo externo. Essa experiência pode ser obstruída quando existe um impedimento para que o processo natural de luto possa acontecer de forma saudável. Uma exigência externa que não permita a retirada do interesse do mundo externo. Isso pode gerar um agravamento e até mesmo originar um quadro patológico, se persistir o impedimento. 
b) Um segundo caso seria o estado depressivo patológico configurado na melancolia, assim como nos orienta Sigmund Freud (1856-1939). A melancolia ocorre quando a relação que o sujeito tem com aquilo que se perdeu guarda características narcisistas, onde o eu e aquilo que foi perdido não puderam se separar emocionalmente. Nesse caso existe uma exigência interna que não permite que o sujeito descanse sua mente para que o processo de luto ocorra. Freud publica LUTO E MELANCOLIA em 1917 e contribui com isso, enormemente para o estudo e aprimoramento do atendimento psicoterapêutico do sujeito depressivo. 
“O luto, de modo geral, é a reação à perda de um ente querido, à perda de alguma abstração que ocupou o lugar de um ente querido, como o país, a liberdade ou o ideal de alguém, e assim por diante. Em algumas pessoas, as mesmas influências produzem melancolia em vez de luto; por conseguinte, suspeitamos de que essas pessoas possuem uma disposição patológica.”. (Freud, 1917).

Depois de Freud, Melanie Klein (1882 — 1960) introduz sua teoria das posições (1935), onde propõe que a mente funciona em duas perspectivas: posição esquizo-paranoide em que a partir de uma tendência a desintegração, a mente provoca uma divisão da realidade; tanto do eu quanto do mundo e a posição depressiva onde ocorre a integração da realidade. Na posição depressiva o sujeito toma consciência da realidade como um todo e com isso sente-se culpado por ter odiado o mesmo objeto que também amava. Essa posição provoca sofrimento, onde leva a sofrer o processo de transformação da culpa em responsabilização. Por conta disso o sujeito pode tentar evitar essa posição a todo custo.
No entanto, evitar sofrer não representa o fim da dor. Entristecer-se é fundamental na tarefa de pensar; aquele que não se encontra capaz disso, ou escapa para euforia, ou mergulha na depressão patológica. O desconforto é o primeiro sinal da transformação do pensamento. O pensar só pode ocorrer quando se inclui a ideia do outro e assim a expansão passa a ser possível. Dessa maneira a dedicação a um processo psicoterapêutico de qualidade é um bom recurso para promoção dessa expansão.
Sem um bom vínculo de confiança as ilusões podem ser percebidas como fatos. Imaginar não é pensar. Quando um quadro de depressão se pronuncia, pode não se tratar necessariamente de uma situação patológica.
Isso pode estar sendo um sinal de uma experiência de luto natural, frente à perda de algo significativo para o sujeito. Algo que muitas vezes, nem o próprio sujeito consegue ter muita consciência. Nessa situação os sinais revelam a evidencia de que existe a necessidade de resguardar-se, por conta de certa fragilidade emocional característica desse processo.
Essa experiência deve ser lenta, levando um tempo diferente em cada caso. Nunca podendo ser estabelecido um período determinado. Quando não se pode respeitar o processo do luto, muito provavelmente a situação pode se agravar. Na tentativa de abreviar o decorrer desse lento processo, a tendência é que se desenvolva um quadro mais severo.
A insistência em se expor às experiências emocionais, quando se está fragilizado emocionalmente, pode trazer sérios danos ao sujeito enlutado e uma depressão grave e patológica pode ser um provável desfecho para isso. A urgência para que o sujeito saia logo do seu processo depressivo, ou ainda, seja arrancado de seu estado deprimido, muitas vezes com administração de fortes medicamentos e técnicas psicoterapêuticas que forcem o sujeito a enfrentar o retorno da vida social é uma prática perigosa entretanto, muito comum na sociedade contemporânea.
Nos tempos atuais parece não existir espaço para experiências que espacem um longo período, assim como os relacionamentos duradouros parecem estar cada dia menos frequentes. Parece haver uma ânsia desmedida pelo consumo assim como o acúmulo de bens e concomitantemente, a necessidade de produção. Experiências psíquicas delongadas, como as do processo depressivo, assim como a constituição de relacionamentos duradouros são nocivas a um modelo de vida baseada no comprometimento com a realidade material.
Essa alucinação da vida de produção e consumo desmedido acarreta a saturação do aparelho sensorial, provocando inúmeras patologias que se manifestam desde a forma mais sutil, no âmbito mental, que compromete diretamente a capacidade de amar, até a manifestação no corpo físico. Em ultima análise, cair em depressão é uma forma extrema de buscar a paz. 


Freud, S. 1917. LUTO E MELANCOLIA, em OBRAS PSICOLÓGICAS COMPLETAS - Edição Standard Brasileira, IMAGO (1969-80). KLEIN, M. 1935. UMA CONTRIBUIÇÃO À PSICOGENESE DOS ESTADOS MANÍACO-DEPRESSIVO. In:____. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos (1921-1945). Rio de Janeiro: Imago Ed., 1996. MARTINO, Renato Dias. O amor e a expansão do pensar: das perspectivas dos vínculos no desenvolvimento da capacidade reflexiva, 1. ed. São José do Rio Preto, SP: Vitrine Literária Editora, 2013.




Prof. Renato Dias Martino 
http://www.pensar-seasi-mesmo.blogspot.com.br/

Um comentário:

marcia lima disse...

Muito bom esse artigo.Nos esclarece mais sobre as diferenças do luto,melancolia e depressão,nos fazendo para para analisar em que quadro podemos nos reconhecer caso estejamos passando ou prestes a passar...e também alguém do nosso convívio.A sua forma de nos ensinar e ajudar é de estremo conhecimento,sabedoria e cuidado conosco em que possamos entender a linguagem.Aprendo muito!Obrigada!